quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Richard Kuklinski



(11 de Abril, 1935 - 5 de Março de 2006) nasceu na Polonia assassino irlandês americano condenado e notório assassino era de ascendência polaca e irlandês. The Hitman 6'5 £ 300 trabalhou para várias famílias do crime Italiano-americano, e alegou ter assassinado mais de 100 homens com mais de uma carreira que durou 30 anos, ele matou sua primeira vítima, aos 13 anos. Ele era o irmão mais velho do estuprador e assassino condenado Joseph Kuklinski.

Início da vida

Richard Leonard Kuklinski nasceu nos projectos em Jersey City, Nova Jersey, de Stanley e Anna Kuklinski. Stanley foi severamente um alcoólatra que batia na mulher e filhos. Quando perguntado se achava que crimes de seu irmão mais novo foram desencadeadas por ter uma formação semelhante à sua, ele respondeu: "viemos do mesmo pai." Anna também foi abusiva de seus filhos, por vezes, batendo-os com cabos de vassoura.

Em 1940, os espancamentos de Stanley resultaram na morte do irmão mais velho Kuklinski, Florian. Stanley e Anna esconderam a causa da morte da criança por parte das autoridades, dizendo que ele tinha caído de uma escadaria.
Com a idade de 10, Richard Kuklinski estava cheio de raiva e começou a atuar fora. Para o divertimento ele iria torturar animais e pelos 14 anos de idade, ele alega ter cometido seu primeiro assassinato.
Tomando um taco de sinuca em um bar enquanto, ele emboscava Charlie Lane, um tirano local e líder de uma gangue de pequeno porte que tinha escolhido para ele. Involuntariamente ele bateu em Lane à morte. Kuklinski sentiu remorso pela morte por um breve período, mas depois viu-o como uma maneira de se sentir poderoso e no controle. Ele então passou a bater e levou à morte os restantes seis membros da gangue. Richard então acreditava que dar "é melhor do que receber."
Por vinte e poucos anos Kuklinski tinha ganhado a reputação de ser um traficante de rua explosivo que s batia ou matava aqueles que ele não gostava ou que o ofendiam. Segundo Kuklinski Foi durante este período que a sua associação com Roy DeMeo, um membro da família mafiosa Gambino, foi estabelecida.




Associação com a familia Gambino e DeMeo Roy:

Associação com a família Gambino veio através de sua relação com o mafioso Roy DeMeo. Este relacionamento começou porque Kuklinski devia um dinheiro de um lote lote para DeMeo, então DeMeo foi enviado para "dialogar" com ele. Ele e sua gangue chicotearam Kuklinski. Depois de ter devolvido o dinheiro que devia, ele começou a encenar assaltos e outras atribuições para a família, uma das quais foi a pirataria de fitas pornográficas.

Segundo Kuklinski, um dia, DeMeo levou-o em seu carro e estacionou em uma rua da cidade. DeMeo então escolheu um alvo aparentemente aleatório, um homem que passeava o seu cão. Ele então disse para Kuklinski matá-lo. Sem questionar a ordem, Kuklinski saiu, caminhou até o homem e lhe deu um tiro na parte de trás da cabeça, enquanto ele passava. A partir de então, Kuklinski se tornou o favorito de DeMeo.

Durante os próximos 30 anos, de acordo com Kuklinski, ele matou muitas pessoas, quer pela arma, estrangulamento, faca, ou veneno. O número exato nunca foi descoberto pelas autoridades, e Kuklinski em vários momentos, alegou ter matado mais de 200 indivíduos. Ele favoreceu o uso de cianeto, uma vez que mata de forma rápida e é difícil de detectar em um teste de toxicologia. Ele teria diversas maneiras de administrá-lo através de injeção, colocando-o no alimento de uma pessoa, por spray aerosol, ou simplesmente derramar sobre a pele da vítima. Um de seus métodos favoritos de escoamento de um corpo era colocá-lo em um galão-55 de óleo. Seus métodos de eliminação que incluía o desmembramento, o enterro, ou colocar o corpo no porta-malas de um carro e tê-la esmagado em um junkyard. Ele também alegou ter deixado corpos sentados nos bancos do parque, corpos jogados em "poço sem fundo" e alimentou aos ratos gigantes na Pensilvânia com as vítimas ainda vivas.

Apesar das alegações de Kuklinski que ele era um assassino freqüente para DeMeo, nenhum dos membros da tripulação de DeMeo que mais tarde tornaram-se testemunhas para o governo admitiu que Kuklinski estava envolvido nos assassinatos que cometeu. Apenas lembravam dele em uma ocasião, no Salão Gemini, onde ele teria visitado o clube a comprar uma arma da tripulação do Brooklyn. Kuklinski alegou ter sido responsável pelo assassinato de DeMeo, embora as evidências disponíveis e pontos de testemunho para os assassinos serem associados da tripulação do companheiro DeMeo José Testa e Anthony Senter, bem como supervisor de DeMeo na família Gambino, Anthony Gaggi.

Segundo Kuklinski, ao mesmo tempo, ele teria uma carreira de sucesso, ele conheceu e se casou com Barbara Pedrici, e mais tarde se tornou pai de duas filhas e um filho. Sua família e os vizinhos não estavam cientes de suas atividades, acreditando que ele era um empresário bem-sucedido. Às vezes ele se levantava e saia de casa a qualquer hora do dia ou da noite para fazer um trabalho, mesmo que fosse no meio do jantar. No entanto Kuklinski odiava trabalhar em feriados, especialmente durante o Natal, como ele sentia que era importante estar com a família. ( Ownnnn ^^ srsr os máfiosos são tão fofos né gente ?! ).

Inicialmente apelidado de "O Polack" por seus associados italiano devido à sua ascendência polaca, Kuklinski ganhou o apelido de "Iceman", após suas experiências em disfarçar a hora da morte de suas vítimas através do congelamento de seus cadáveres em um freezer industrial. Mais tarde, disse o autor Philip Carlo que ele teve a idéia do colega Robert hitman Pronge, apelidado de "Mister Softee", Pronge ensinou Kuklinski os diferentes métodos de utilização de cianeto para matar suas vítimas. Kuklinski também alegou ter comprado granadas detonadas remotamente de Pronge. Em 1984, Pronge foi encontrado morto a tiros em seu caminhão.

O método de Kuklinski foi descoberto pelas autoridades quando ele não conseguiu deixar uma de suas vítimas devidamente descongelar antes de se livrar do corpo, na noite quente de verão, e o médico legista encontrou pedaços de gelo no coração da vítima.


Procurado - estadual e federal:


Quando as autoridades finalmente apanharam Kuklinski em 1986, eles basearam o seu caso quase que totalmente no depoimento de um agente infiltrado. Detetive da Polícia Pat Kane do Estado de New Jersey começou o caso seis anos antes da prisão e do inquérito, envolveu uma operação conjunta com o escritório de New Jersey Procuradoria Geral da República e do Escritório de Álcool, Tabaco e Armas de Fogo.

Agente Especial Dominick Polifrone tinha experiência secreta especializado em casos de máfia. A Polícia do Estado de New Jersey e da Mesa deu início a uma operação conjunta. Detective Kane recrutou Phil Solimene, um amigo próximo de Kuklinski, que introduziu Polifrone agente secreto para o assassino. O agente de Mesa agiu como se ele quisesse contratar Kuklinski para uma batida, e gravou-lo falar em detalhes sobre como ele faria. Quando a polícia do estado e os agentes federais deram a ordem de prisão Kuklinski eles bloquearam sua rua, e levaram vários funcionários para derrubá-lo. No processo a Senhora Kuklinski também foi presa e acusada de porte de arma porque o carro era de fato registado com o nome dela. Quando a Sra. Kuklinski foi presa, um policial teve de colocar a bota nas costas dela enquanto detia ela. Esta ação deixou Kuklinski enfurecido, e essa é uma das razões pelas quais eles necessitaram de vários policiais para derrubá-lo.


Encarceramento e morte:

Durante seu encarceramento, Kuklinski concedeu entrevistas aos promotores, psiquiatras, criminologistas, escritores e produtores de televisão sobre a sua carreira criminosa, educação e vida pessoal. Dois documentários, com entrevistas de Kuklinski pelo Dr. Park Dietz (melhor conhecido por suas entrevistas e análise de Jeffrey Dahmer) exibido na HBO a partir das entrevistas em 1991 e 2001. Philip Carlo também escreveu um livro em 2006, intitulado "O Homem de Gelo."

Em uma entrevista, Kuklinski alegou que ele nunca iria matar uma criança e "muito provavelmente não iria matar uma mulher".( Que Cavaleiro) Ele também confessou que uma vez ele queria usar uma besta para realizar uma batida, mas não sem "testar" o primeiro. Enquanto dirige seu carro, ele perguntou a um homem para direções aleatórias, lhe um tiro na testa com a besta, e afirmou que a seta "foi meio caminho em sua cabeça".

Ele também afirmou que uma vez raptou uma de suas vítimas, e ao invés de matá-lo convencionalmente, amarrarou suas mãos e pés com fita adesiva. Ele então deixou o homem em uma caverna no deserto, onde ele foi comido vivo por ratos atraídos pelo choro do homem. Kuklinski alegou que ele filmou a morte do homem como prova para o comprador mostrando que o homem sofreu antes da morte.

Em uma entrevista, Kuklinski confessou que ele lamentou apenas um assassinato, que ele considera ser particularmente cruel. Como ele estava prestes a matar um homem, o homem começou a orar a Deus por sua vida. Kuklinski lhe disse que lhe daria 30 minutos para Deus salvá-lo, mas quando o tempo terminasse, ele seria morto. Obrigando o homem a esperar 30 minutos para golpear ele até a morte Kuklinski atingiu o grau de assassinato mais sádico.

Kuklinski morreu na idade de 70 as 1:15 am em 5 de Março de 2006. Ele estava em uma ala segura em St. Francis Medical Center, em Trenton, New Jersey, no momento, embora o momento de sua morte tem sido rotulado com suspeitas; Diz-se que um Jamie R pode ter sido ligado a esta morte prematura, Kuklinski estava agendado para testemunhar que o ex-subchefe Sammy Gravano ordenou o assassinato da família Gambino de Nova York

Kuklinski admitiu ter assassinado O detetive do Dpt da Policia Peter Calabro, com uma espingarda, na noite de 14 de Março de 1980. Ele negou saber que Calabro era um policial, mas disse que ele teria assassinado independentemente disso.

Na época, Gravano já estava preso por uma carga independente, servindo uma sentença de 19 anos de prisão por usar um anel de ecstasy no Arizona. Kuklinski também afirmou aos membros da família que ele achava que "eles" estavam envenenando-o. Poucos dias depois da morte de Kuklinski, promotores retiraram todas as acusações contra Gravano, dizendo que sem o testemunho de Kuklinski não havia provas suficientes para continuar. A pedido da família Kuklinski, o patologista forense Michael Baden analisou os resultados da autópsia Kuklinski para determinar se havia evidências de envenenamento. Baden concluiu que ele morreu de causas naturais.

Mickey Rourke anunciou que irá estrelar e co-produzir um filme baseado no livro de Philip Carlo sobre o Iceman.

Texto complementar

Acabei de ler essa semana o livro “O Homem de Gelo – confissões de um matador da Máfia”. Esta é a biografia de Richard Leonard Kuklinski, que exerceu a profissão de matador de aluguel por quarenta e três anos, e executou mais de 250 pessoas (ainda sem uma estimativa exata, pois o próprio Richard afirma ser bem mais) sob a tutela da máfia de New Jersey. O homem de gelo - confissões de um matador da máfia é fruto de mais de 240 horas de entrevistas frente a frente com Kuklinski na Penitenciária Estadual de Trenton. As entrevistas foram realizadas pela rede de TV HBO, cujo documentário final recebeu diversos prêmios.
O autor Philip Carlo divide a obra em cinco capítulos e mostra como era a relação de Kuklinski com seus pais e irmãos, os primeiros trabalhos para a máfia, os assassinatos com requintes de crueldade, a profissão, a relação com seus filhos, esposa e, finalmente, a prisão.
“Ele matava com revólveres, veneno, porrete, facas, estrangulando, usando seus punhos, faca, chaves de parafuso, picadores de gelo, granadas de mão e até mesmo fogo. Nunca vimos nada parecido com ele. Para dizer a verdade, nós nunca nem ouvimos falar de nada semelhante “. Relata Bob Carroll, procurador do estado de New Jersey, que participou da prisão de Richard.
Richard Kuklinski recebeu o apelido de homem de gelo porque deixava algumas de suas vítimas em um congelador, retirando-as depois de muitos dias. Deste modo os investigadores não conseguiam precisar quando o crime havia sido cometido. Um documentário sobre Richard foi ao ar pela primeira vez em novembro de 1999 e da noite para o dia Richard se transformou em um superstar do crime.
Richard desenvolveu de tal forma suas técnicas que a autópsia não revelava que o coração da vítima havia parado por causa do cianeto, ingerido ou simplesmente borrifado com spray no rosto.
Um simples “Hei!”, seguido de um borrifo — “pssst” — no rosto quando o “alvo” olhava e seus dias estavam contados. “Parada cardíaca”, dizia a necropsia. Realmente o coração parara, mas por obediência química a Richard Kuklinski, o biografado. Ele era um matador profissional, por contrato. “Trabalhava” como “freelancer” para a Máfia americana, mas a ela não pertencia por não ter origem italiana, como diz seu sobrenome polonês. Na maioria das vezes o chefão mafioso contratava Kuklinski para matar outro mafioso (menos mal...).

Era o melhor profissional no setor, pela coragem, discrição, eficácia, método e habilidade em não deixar pista quanto à autoria. A referência ao “gelo” não era devida apenas ao seu sangue-frio. É que ele por vezes congelava os cadáveres porque se fossem, eventualmente descobertos, o frio, a ausência ou retardamento da putrefação, impedia a necropsia de saber quando a vítima fora assassinada. A técnica policial pode saber quando a vítima morreu pelo grau de decomposição dos tecidos. Mas se quase não houve decomposição?
Não se pense, porém, que Richard usava veneno por ser covarde, por temer a reação do “alvo”. Mulheres têm preferência pelo veneno justamente porque são fisicamente fracas, sem condições de enfrentar a vítimas — geralmente maridos agressores ou fascinados demais por novas saias. Kuklinski passou a usar o veneno depois de, pessoalmente, matar gente perigosa com tiros, facadas, pancadas ou com as próprias mãos. Era um homem corpulento, com cerca de metro e noventa e dotado de imensa força física — natural, sem halterofilismo. Quando finalmente foi preso e quiseram algemá-lo por trás, as algemas não serviam porque seus punhos eram grossos demais. Foi preciso usar as algemas de pés para imobilizá-lo, e assim mesmo isso foi difícil porque um policial tratou rudemente sua esposa e isso Richard não permitia, fossem quais fossem as armas apontadas contra ele.
O cianeto foi, para ele, apenas um “aperfeiçoamento” técnico, com a grande vantagem de não deixar pista. Era mais inteligente, por exemplo, matar um policial usando veneno, imperceptível à necropsia, quando na dose certa — nem de mais nem de menos, porque aí a vítima sobreviveria —, porque dessa forma evitada mexer em uma casa de marimbondos, os colegas do policial ávidos por vingança.
Segundo as confissões de Kuklinski — já não tinha nada mais a perder, revelando sua vida na penitenciária, pois condenado a várias penas de prisão perpétua — o mafioso que solicitava seus serviços apenas mostrava nome e foto do “alvo”, o preço oferecido e a especificação sobre se queria morte “com ou sem sofrimento’. Se “com”, Richard Kuklinski fazia o seguinte: dominava o “alvo” com um revólver, amarrava seus punhos, passava uma fita adesiva grossa na sua boca, impedindo-a de gritar e jogava-o no porta-mala. Levava-o a um local bem afastado, no campo — onde sabia existir uma caverna cheia de ratazanas enormes; tão grandes que pareciam coelhos. Lá ele deitava a vítima no chão, armava um filmadora num tripé e instalava um holofote ligado a um detector de movimento. Depois ia embora, ciente de que as ratazanas, esfomeadas, apareceriam para o banquete “delivered”. Com a aproximação das ratazanas a lâmpada acendia e a filmagem começava. Poucos dias depois, segundo ele, só restava o esqueleto.

Como o infeliz era devorado ainda vivo, o item “sofrimento” fora atendido. A fita era levada ao mafioso, que se deliciava com a tortura do “traidor”, ou coisa semelhante. E havia outras coisas que é melhor ler no livro.
Não tem sentido prosseguir, aqui, reproduzindo as confissões do “homem de gelo”, prejudicando autor e editora na vendagem, tirando o “prazer” (que prazer?...) do leitor. O livro, em linguagem clara e não vulgar — embora realista quando reproduz diálogos do baixo mundo — é bem uma enciclopédia do crime e da cautela e sangue-frio de um matador que só foi preso graças à quase fanática determinação de um jovem policial idealista. Não é possível omitir, porém, a excepcional coragem de um outro policial que, bom “ator” — até no linguajar sujo — conseguiu se introduzir no fechado mundo da Máfia, fingindo-se um marginal. Bastaria uma leve suspeita de sua condição de agente infiltrado para resultar em sua morte, certamente com muitos padecimentos. As ratazanas ficariam gratas ehehe.
Richard Kuklinski era, assim, um “monstro total?”
Não! Marido totalmente fiel adorava sua esposa — embora por vezes perdesse a paciência e a espancasse quando contrariado e provocado. Em matéria de sexo era puritano. Quando na prisão, recebia cartas de mulheres excitadas — estranho afrodisíaco... — querendo autorização para visitá-lo. Fazendo uma careta de nojo, comentou ao escritor: “Uma delas, na foto, estava com as pernas tão abertas que dava para ver até as amídalas”. Apesar de muito lacônico, tinha senso de humor.
Amava as filhas mas nutria uma certa desconfiança com relação ao filho. Afinal, tratava-se de “um macho”. E tinha também seu lado virtuoso: não tolerava que uma criança fosse maltratada na sua presença. Simplesmente matava o atormentador. Matar mulheres também não estava em sua agenda. Sua mulher dizia que havia casado com dois homens: o Richard bom e o Richard mau. Ela não fazia perguntas sobre onde ele ganhava seu dinheiro porque tais perguntas o deixavam aborrecido. Mas não sabia que era um matador de aluguel.
Por que Kuklinski tornou-se o que revelam suas confissões? Tudo indica que as tremendas e injustas surras que levou quando crianças tiveram decisivo papel na conformação mental e moral de um matador de aluguel. Sua mãe também não revelava, segundo ele, quaisquer sentimentos afetuosos, normais, de mãe. Até o fim de sua vida lamentou o fato de não haver assassinado o pai. No seu dizer, um homem que gostava — principalmente quando alcoolizado —, de espancar os dois filhos, um deles morto de tanto levar socos na cabeça. Crime que ficou impune — uma “queda”, segundo informações fornecidas à polícia — porque a mãe de Richard tinha tanto medo do marido que não relatou a surra impiedosa.
Sob esse ângulo o livro é também informativo, a nos alertar que abusivos espancamentos de crianças pelos pais e, principalmente, a total ausência de amor ou respeito pelos filhos podem resultar em deformações morais que, cedo ou tarde, vão nutrir as ratazanas. As metafóricas ou as propriamente ditas. É um livro que vivamente recomendo, até mesmo como fonte de informação.
A sensação que eu tive ao ler a historia é de que ao mesmo tempo em que Richard é ao mesmo tempo fascinante e assustador como o mais negro pesadelo. Ele representa o pior de nós mesmos – mesmo assim, ouvi-lo é fascinante.


Imagens





Livros






Videos





Filmes


cartaz de The Iceman

Poster do filme The Iceman



                                                  Trailer O Homem de Gelo